01 março 2007

Estarão alguns tempos verbais a mudar?


Se reflectirmos um pouco sobre o uso de alguns tempos verbais em Português, vamos encontrar algumas surpresas!

O Presente do Indicativo raramente exprime uma acção no momento presente: as frases “fazemos ginástica” ou “lemos jornais” não significam que nos encontramos a fazer ginástica ou a ler jornais neste preciso momento. Estas sequências exprimem, sim, uma acção habitual, frequentativa (= costumamos fazer ginástica e ler jornais).

Por outro lado, numa frase como “Vamos a Paris nas próximas férias”, usamos um verbo no Presente com uma ideia de futuro (= iremos).

Quanto ao Pretérito Imperfeito, quem não conhece o célebre diálogo num café “Queria um copo de água, se faz favor!”; “Queria?! Porquê, já não quer?!”. Neste caso, verificamos que o Imperfeito exprime uma acção presente (= quero).

E numa frase como “Gostávamos de visitar essa cidade”, usamos o Imperfeito em vez do Condicional (= gostaríamos).

Estarão os tempos verbais a mudar?

11 comentários :

angela(peb 2º ano) disse...

ola boa tarde professoras. achei este artigo bastante interessante. realmente é uma questao que dá que pensar.
já me aconteceu, quando tinha cerca de 15 aninhos, quanod fui a um cafe pedir algo, penso que foi um chocola. a senhora que me atendeu repsondeu-me de gorma brusca: "Ó menina queria ou quer...???" e eu fiquei estupefacta...pois empre o tinha dito mas so aquela simpatica senhora me tinha chamado á atenção para um erro que cometia todos os dias sem saber.
bom..é bom estarmos a aprender..e estarmos atentos a estes promenores :)

tânia (2. tarde) disse...

Quanto ao uso do Pretérito Imperfeito na dita célebre frase, julgo que a maior parte das pessoas o usa como sendo uma forma simpática de se dirigir a alguém, pois o "quero" remete(-me) para a ideia de estár a dar uma ordem ou, por outo lado sugere (-me) uma proximidade com a pessoa que está do lado de "lá".
Muitas pessoas também dizem " era um café quentinho sff". -Era um café quentiho?!!!Ai era?!Onde?!
Qualquer dia, cada um de nós aplica as próprias regras gramaticais e já ninguém se entende é o que é:P
Beijinho *

socram disse...

artigo muito interessante! boa!

Dulce disse...

Não me parece que esteja errado dizer-se "queria um café". Pelo menos, eu aprendi que nesse caso o imperfeito se usa por delicadeza, para exprimir um pedido e não uma ordem...

deprofundis disse...

Dulce dixit. E eu concordo. Mas já me aconteceu o mesmo que aconteceu à Ângela. Penso que foi no Alentejo...

Joana (2º ano) disse...

Fantástico!
Eu não percebo muito de verbos nem de tempos verbais, é o meu ponto fraco.
Mas penso que, a frase "Quero um chocolate", é bem mais simpática do que a frase "Quero um chocolate", que me soa um pouco a ordem e arrogância. Até porque o "se faz favor" é um termo que, infelizmente, muitos se têm esquecido.. tal como o "obrigada".
Portanto, estou de acordo com os restantes bloggers.
E já estamos inscritas no torneio =p
Beijinhos

S. Duarte disse...

Dulce, obrigada pelo seu comentário! Não se trata de um erro o uso de um tempo verbal por outro. Esta minha reflexão pretende apenas mostrar que o uso da língua se sobrepõe cada vez mais ao conhecimento linguístico! Já diz o velho ditado «água mole em pedra dura tanto bate até que fura»! Na verdade, os falantes é que "mandam" na língua, e não os linguistas, gramáticos ou lexicógrafos!

conceição disse...

Que a Língua é dinâmica, parece-me inquestionável.Não esqueçamos porém,que ela também é democrática e que a democracia tem regras."Os falantes é que mandam" sim senhora, mas... a maioria dos falantes!Por isso, penso ser fundamental que os linguistas,gramáticos e lexicógrafos vão zelando pela unidade da Língua sob pena de se perder a identidade do povo que a usa.

Anónimo disse...

Estou de acordo com a Conceição: há que preservar o traço identitário duma Língua. Cada palavra revela experiências e valores duma cultura e, embora a cultura não seja um conceito estático,não podemos cair num relativismo tal que qualquer dia não sabemos quem somos nem donde viemos.É para aí que nos empurra a globalização...

S. Leite disse...

Ora aí está! Cada vez é mais difícil zelar pela nossa identidade cultural. Como muita gente já vai dizendo (e apenas em relação à língua), "qualquer dia estamos todos a falar inglês"!...

Mafalda (2º ano) disse...

Por isso é que eu prefiro o inglês...é tudo muito mais simples :P **