28 setembro 2007

PIMBA!


Hoje em dia, a palavra pimba pode pertencer a duas classes gramaticais e ter dois significados distintos em português europeu, sendo que o segundo decorre do primeiro.

Antes de mais, é uma interjeição de origem onomatopaica, usada para exprimir o ruído, geralmente inesperado, de uma acção que envolve o choque físico. Por exemplo em: “e o palhaço... pimba! Voltou a bater na cabeça do outro.”

Esta interjeição, usada na letra de canções como “Pimba Pimba” de Emanuel (“E se elas querem um abraço, nós pimba! Nós pimba!”), levou a que o termo pimba começasse a ser empregado para qualificar esse tipo de música popular, de letra brejeira (para não dizer mais nada...) e considerada de mau gosto, adquirindo assim um sentido depreciativo que foi não obstante repudiado pelos defensores do “estilo pimba”.

Hoje, em linguagem familiar e mesmo corrente, podemos falar de canções e cantores pimba, porque todos estamos familiarizados com este termo bem expressivo.

Embora ocorram muitas conversões em português, pimba deve ser um dos raros casos em que uma interjeição se transforma num adjectivo.

4 comentários :

Joana disse...

Pois para mim a palavra "pimba" não me sugere coisas muito boas não :p tenho uma foto para vos mandar de um café que fui hoje onde existe, num cartaz enorme a palavra "quaisqueres", até tremi! Bj

Jaime disse...

Excelente post! :-)

S. Leite disse...

Talvez devesse dizer que foste a minha inspiração, Jaime (mas não por cantares música pimba!!). Obrigada pelas dicas :)

Jaime disse...

Não gosto de cantar música pimba para não despertar os instintos de linchamento da audiência. :-)

(Linchamento vem de "lei de Lynch".)