26 fevereiro 2007

Lavaste e lavas-te


A frequente dúvida de se pôr ou não hífen em determinadas formas verbais pode ser resolvida com dois simples truques!

Na frase “Lavaste o carro ontem?”, a forma “lavaste” escreve-se sem hífen, porque o TE é parte integrante do verbo, trata-se da desinência da 2ª pessoa do singular no Pretérito Perfeito do Indicativo (veja-se o restante paradigma: lavei, lavou, lavámos, lavaram).

Na frase “Lavas-te com sabonete?”, a forma “lavas-te”, pelo contrário, é grafada com hífen, de modo a separar a forma verbal “lavas” do pronome pessoal reflexo TE (lavo-me, lava-se, lavamo-nos, lavam-se). Por conseguinte, não se trata do mesmo TE.

O primeiro truque consiste no uso da negativa. Se escrevermos ambas as frases na negativa, verificamos uma pequena alteração: “Não te lavas com sabonete?”, “Não lavaste o carro?”). No primeiro caso, o pronome te mudou de posição, significa, portanto, que na afirmativa se escreve com hífen: LAVAS-TE; no segundo caso, não houve qualquer mudança, por isso na afirmativa escreve-se sem hífen: LAVASTE.

O segundo truque consiste em verificar qual é a vogal mais forte (tónica) da palavra. No caso de se usar o hífen, a vogal tónica fica mais longe da terminação da palavra (“lávas-te”), no caso de não se usar hífen, a vogal tónica é a que está mais perto do TE (“laváste”).

São velhos os truques, mas funcionam sempre em caso de dúvida!

S. Duarte

9 comentários :

Lara disse...

Bem... Palavras para quê? Estas senhoras professoras são um espectáculo, arranjam sempre uma forma divertida, de nós conseguirmos dar a volta por cima de qualquer dificuldade que a Língua Portuguesa nos apresente... O que seria de nós se não fossem os vossos truques?!
Parabéns pelo blog, é uma ideia muito boa que certamente não irá ajudar somente alunos do ISEC.

Joana (2º ano) disse...

É verdade :)
Já aprendi essas técnicas há algum tempo com as duas professoras e tento colocá-las sempre em prática!
Boa semana, beijinhos

Sara Melina (3ºano) disse...

Boa tarde!
Desde já quero dar os parabéns pelo blog! Está excelente!
E quero dizer à professora Sandra, que desde que ensinou este truque na aula que já me sinto muito melhor e mais à vontade quando escrevo. :) Pois, este tipo de erro era o meu ponto fraco.

Parabéns por esta iniciativa! E continuem, porque há muita gente atenta a este blog!

Beijinhos

Mafalda (2º ano) disse...

Bem pensado!!

deprofundis disse...

Desculpem a demora, mas "estive a me lavar". É assim que se diz aqui na Madeira. Não sabiam? Pois cá no jardinal, a colocação dos clíticos anda pelas ruas da amargura.
Já agora, uma sugestão: que tal falar da expresão muito em uso "Há anos atrás"? Não será mais correcto dizer "há anos" ou "anos atrás"?

Madalena disse...

É verdade, esse é um erro muito comum... e começa bem cedo!!
Mais uma vez... parece-me que a leitura era tão importante para curar estes pormenorezitos da língua, que apesar de tudo, eu creio, não deviam ser inibidores para quem escreve!!!

Beijinhos,
Madalena.

Jaime disse...

Quanto tenho dúvidas, verifico se mover o pronome para antes do verbo preserva o significado. Por exemplo, para saber que "lavo-me" tem hífen, reparo que "me lavo" tem o mesmo significado (soa a brasileiro). Para saber que "lavaste" não tem hífen, noto que "te lavas", não tem o mesmo significado.

Jaime
www.blog.jaimegaspar.com

S. Leite disse...

Atrevo-me a dizer que essa técnica é um pouco mais arriscada, Jaime... mas se achas que resulta, força!

S. Duarte disse...

A todas, o muito obrigada pelo incentivo! E vivam os truques, que tanto nos protegem das armadilhas linguísticas!