29 setembro 2009

Beijos, beijinhos e beijinhos grandes

   Se é verdade que as redundâncias saltam mais à vista (há dias um candidato a uma junta de freguesia prometia "enfrentar os problemas de frente"), não é menos certo que os contra-sensos são de evitar.
As pessoas que se despedem com "beijinhos grandes", por exemplo, ainda não devem ter reparado que assim se denunciam como mentes contraditórias, o que naturalmente não abona em seu favor.


  Devo dizer, porém, que a interjeição de despedida que se criou recentemente na nossa língua, "beijinhos!", é bastante afectuosa e original. Para além disso, dizer a palavra "beijos" é uma forma forma bastante prática e indubitavelmente mais higiénica de substituir o acto de beijar outra pessoa na face (podíamos até passar a dizer "beijos" também quando nos encontramos!). Finalmente, é uma forma eufemística de pormos fim à conversa sem mandarmos a outra pessoa para o Além, com o terminal  "adeus", e também sem nos comprometermos ao reencontro, através de um "até logo" ou de um  "até amanhã" que poderia, em muitos casos, revelar-se inconveniente, ou dar azo a mais dez minutos de diálogo.

   Os beijinhos são simpáticos e educados qb, embora tenham o inconveniente de serem desaconselhados para o uso estritamente masculino, a menos que a relação entre os intervenientes dite o contrário.
  
    Estou em crer que a despedida dos "beijinhos" terá surgido nos contextos em que as pessoas comunicavam sem se verem, como por exemplo ao telefone, e assim começaram a pronunciar o nome que se tornou interjeição. Daí até se ter instalado no nosso léxico como uma das palavras que mais vezes pronunciamos ao longo do dia (nós, mulheres, está claro), em paralelo com "não" e "aaah..." foi um instantinho.

     Logo surgiram as variantes, como os "beijos" (para uma despedida mais formal), o "beijo" (mais sedutor), os "beijinhos grandes" (das tias?) os "jinhos", as "beijokas" e as "jokas" (para a malta jovem), os "beijos, queijos e alfaces fresquinhas" (para amigos com mais tempo e criatividade) e outras versões mais económicas, como "bjks" e "bjs", para mensagens de correio electrónico e telemóvel.
 

     Parece-me que, perante uma fórmula de despedida tão agradável, eficaz e versátil, mas que infelizmente fica melhor às mulheres, os homens precisam urgentemente de encontrar algo semelhante, para poderem beneficiar das mesmas vantagens nas despedidas verbais. Permitam-me, leitores, que vos deixe as seguintes sugestões: "aperto-de-mão", "toque-no-ombro" e "palmadinha". Que tal?
  

6 comentários :

Nuno disse...

Já existem: um abraço, abraços

fj disse...

na variante masculina que tal um ABRAÇO? fica 100pre bem.
A palmadinha pode ter várias interpretações...ou não!

Quanto ao "beijo" sempre o atribuí (mal ou bem) a alguém por quem tenho um carinho muito especial...
porém não consigo resistir a um largo sorriso qt ao grupo a quem é "atribuido" os tais "beijinhos grandes"
:))

S. Leite disse...

Pois, é verdade. Esqueci-me do abraço! Mas parece-me que não é tão versátil (usa-se muito na escrita, mas pouco na oralidade... "então abracinho, ãh?"), embora também circule na versão abreviada, "abç"). Por outro lado, acho que também pode ser usado pelas mulheres... ou não?

Margarida disse...

Este blogue é LINDO!
Quem ama as palavras, derrete-se...
:)

isec disse...

Fiquei encantada com este blogue. Adorei ler os pequenos textos e fiz 2 desafios, mas houve algumas palavras que me escaparam :)
Paula Monteiro

S. Leite disse...

Olá, Paula! Obrigada. Esperamos que continue a gostar. Tratarei de publicar mais desafios!