23 novembro 2007

MOS com e sem hífen


Eu agradeço, tu agradeces, ele agradece, nós agradecemos, vós agradeceis, eles agradecem.
Quem é que não sabe que isto é o Presente do Indicativo do verbo agradecer?
Então por que razão há tanta gente a colocar o hífen (indevidamente) entre o radical e a terminação do verbo, na primeira pessoa do plural?

Trata-se de uma confusão entre essa forma verbal (agradecemos) e uma outra, que corresponde a outra pessoa (a terceira do singular ou a segunda do singular, se o verbo estiver no modo Imperativo) e traz uma contracção pronominal após o hífen: me + os (= mos).
Assim, vejamos estas frases:

Enfermeira - Levo-lhe jornais e revistas ao quarto e ele agradece-mos sempre.
A pessoa em causa (ele) agradece os jornais e revistas à enfermeira que fala, daí a contracção me (a mim) + os (jornais e revistas)

Doente - Nós agradecemos sempre às enfermeiras pelas suas atenções.
O doente fala por si e pelos outros doentes, usando a primeira pessoa do plural, que termina em "mos", sem hífen)

Doente - A enfermeira trouxe-me os jornais quando eu não estava no quarto. Se a vires, agradece-mos, por favor.
Neste exemplo (um pouco menos provável), o doente que fala pede a outro que faça algo por ele, por isso também usa "me" (como quem diz "por mim"), agregado ao pronome que representa o objecto directo (os , que substitui jornais). O verbo, aqui, está no modo Imperativo e refere-se à pessoa "tu".

Portanto, quando a pessoa que desempenha a acção expressa pelo verbo "somos" nós, não há hífen antes de mos. Quando se trata de outra pessoa e mos representa complementos do verbo, escreve-se com hífen.
E existe ainda outra forma de sabermos se a forma verbal em causa leva hífen ou não: quando não leva, a sílaba tónica fica mesmo junto à terminação: agradecemos; quando leva, a sílaba tónica "desloca-se" para trás: agradece-mos.

Foi muito confuso?!




3 comentários :

Tânia disse...

Muito claro :)
Mas em caso de dúvidas penso que podemos também associar o "mos" de agradece-mos como igual a "a mim" (ele agradece-me os jornais, a mim). Se se tratar da primeira pessoa do plural, ou seja, sem hífen, penso que pode usar-se o truque de pôr o "nós" antes do verbo, caso ele não esteja presente na frase, para ver se soa bem.

Jaime disse...

O meu truque é mover o "mos" para antes do verbo e ver se a frase faz sentido.

A frase «Levo-lhe jornais e revistas ao quarto e ele mos agradece sempre» faz sentido (embora soe a brasileiro), pelo que o "mos" é separado de "agradece" com um hífen.

A frase «Nós mos agradece sempre às enfermeiras pelas suas atenções» não faz sentido, pelo que o "mos" é "pegado" a "agradece".

S. Leite disse...

EXACTO! Mas esse truque funciona melhor se puserem a frase na negativa (para verificar se o pronome passa para a posição pré-verbal): "ele não mos agradece" está correcto, logo, escreve-se com hífen; "nós não mos agradece" é errado, logo, não há hífen na afirmativa.
Isto é mais prudente, pois, como o Jaime disse, se simplesmente colocarmos "mos" antes do verbo, a frase pode não nos soar nada bem (se formos portugueses de Portugal) e estar correcta.