04 junho 2008

RE + HAVER = REAVER

"Se eu *reaver"... é erro frequente e até se compreende porquê: na primeira e na terceira pessoa, os verbos regulares costumam terminar de forma igual à do Infinitivo quando estão conjugados no Futuro do Conjuntivo: "se eu lavar", "quando eu entender", "se eu dormir".

Só reparamos que o verbo, de facto, assume uma forma diferente da do Infinitivo quando ele é irregular: "se eu der", "quando eu fizer", "se eu trouxer", etc.

Assim, percebe-se a tendência de muita gente para utilizar verbos irregulares conforme o paradigma, ou seja, para dizer, por exemplo, "se o tempo se *manter assim" em vez de "se o tempo se mantiver assim".

Isto acontece, sobretudo, quando os verbos são compostos, ou seja, quando derivam de outros. Manter deriva de ter, portanto, manteve e não "manteu", mantiver e não "manter", no futuro do conjuntivo.

Quanto a reaver, trata-se da combinação entre o prefixo re- e o verbo haver. Assim, se ao conjugar o verbo haver no futuro do conjuntivo dizemos houver, logicamente devemos também dizer reouver. Só eliminamos o "h"! Porque, afinal, reaver é haver de novo, no sentido de voltar a ter.

4 comentários :

Jaime disse...

Não tem a ver com o post, mas talvez interesse: o primeiro dicionário de português, Vocabulario Portuguez e Latino, do século XVIII, está disponível online em http://www.ieb.usp.br/online/index.asp

S. Leite disse...

Muito obrigada pela utilíssima referência, Jaime. Essa cabeça não pára!...

Lu Teófilo disse...

Difícil entender. normalmente se usa hífen quando a segunda palavra vem com "h", ex: re-haver. Não seria o correto?

Jose Das Couves disse...

Não se usa hífen em palavras compostas iniciadas por ‘re’, ‘des’ e ‘in’ e seguidas por elementos que comecem com ‘h’. Nestes casos, o ‘h’ cai e os termos se juntam numa palavra só.