18 Setembro 2011

Aselhas e azelhas

Todos temos o direito de ser aselhas, de dizer disparates, de falar sem pensar, de cometer erros, de não conseguir fixar o que aprendemos e de esquecer o que tínhamos aprendido. É o direito de sermos humanos, afinal.
E quando teimamos no erro, quando nos recusamos a aprender, quando temos orgulho em sermos ignorantes... será esse também um direito nosso?




Claro que sim. Com uma diferença, que bem se vê.
É que, se assim formos, seremos mais aselhas do que os outros:
eternos "azelhas", teimando no z...

3 comentários:

Mais do que Um, Muitos disse...

Boas,

Nunca deixei uma mensagem de agradecimento pelo vosso trabalho. Há já alguns anos que venho tirar dúvidas de português a este blog, mas nunca me dignei a agradecer. Por isso, continuem o excelente trabalho.

S. Leite disse...

Eu é que agradeço. Volte sempre!

S. Duarte disse...

Há mensagens que nos enchem a alma e alegram o coração...
Esta é uma delas! Bem-haja!