03 fevereiro 2009

Reservar-se ao direito ou reservar-se o direito?

«A organização reserva-se ao direito de alterar o programa sem aviso prévio».
Esta frase é-vos familiar?
«Reservar-se ao direito» é um erro discreto que teima em permanecer em muitos rodapés informativos.
E porque é que é um erro?
Porque o pronome reflexo se desempenha normalmente a função de complemento directo, por exemplo, na frase «ele lava-se», «ele» é o sujeito, e o pronome «se» é o complemento directo».
Este pronome, porém, pode também ter a função sintáctica de complemento indirecto. É o que acontece nesta frase: «A organização reserva-se o direito de alterar o programa sem aviso prévio», em que a expressão «o direito» é o complemento directo, e o pronome «se» é o complemento indirecto.
Por conseguinte, a estrutura correcta é: «reservar-se o direito», isto é, «reservar para si o direito».

9 comentários :

Anónimo disse...

Bom, dia, doutora Sandra Duarte
Já tive oportunidade de dar os parabéns pelo blogue à sua colega e aproveito para os tornar extensíveis também a si, que tenho tido o prazer de ouvir através do «Consultório» emitido pela RDP África. Continuem esta luta em defesa da mais bela língua do mundo, o Português.
Aproveito para sugerir um esclarecimento. Qual a forma correcta: «Louvar a Deus» ou «Louvar Deus»? Expressão recorrente em certos círculos.
Os meus agradecimentos

S. Duarte disse...

Viva!
Antes de mais, obrigada pelas suas amáveis palavras!
Vamos à dúvida!

Louvar a Deus ou Louvar Deus?
O verbo «louvar» é um verbo transitivo directo, ou seja, é um verbo que pede um complemento directo: «Louvá-lo».
Mas este complemento directo pode ser introduzido pela preposição «a».
Segundo alguns gramáticos, verbos como «louvar» e «amar» permitem o uso da preposição «a», porque são verbos que exprimem sentimentos ou manifestações de sentimentos, em que se pretende encarecer alguém.
Em suma, ambas as formas são correctas, sendo que estamos sempre perante um complemento directo (com ou sem preposição).
Disponha sempre!

Hugo Pereira disse...

Senhoras professoras,

Tenho andado sempre atento ao vosso blog, que acho deveras interessante. Gosto destas curiosidades linguísticas acerca de expressões que acabam por ser usadas erradamente, vezes sem conta, apenas porque se tornaram um "vício".

Gostaria que me esclarecessem acerca de uma expressão, que umas colegas da minha mulher usam no emprego:

- Poderá dizer-se "Ligar com alguém" em vez de "Ligar a alguém".

É que essas colegas, em vez de dizerem «Eu depois ligo-lhe/telefono-lhe», dizem «Eu depois ligo consigo».

Será isto correcto? A mim não me soa bem e à minha mulher já cria nervoso miudinho (porque lhe soa meio abrasileirado).

Agradeço antecipadamemte pela atenção.

Cumprimentos,

Hugo Pereira.

S. Duarte disse...

Olá, Hugo!

«Ligar com» é uma estrutura correcta em português, mas não é de todo equivalente a «ligar a».
«Ligar com» é usado em construções do tipo: «Essa saia liga bem com este casaco» ou «O feitio dela não liga com o dele».
Agora, como sinónimo de «ligar a alguém, telefonar» causa-me alguma estranheza!!

Hugo Pereira disse...

Profª. Sandra Duarte,

Muito obrigado pela resposta. De facto também a mim e à minha mulher essa expressão causa estranheza, mas como não é apenas uma pessoa a usá-la no escritório, pensámos que talvez pudesse ser possível o seu uso, mesmo que soasse mal.

Fazendo aqui uma espécie de "brainstorming", acho que consegui chegar à origem do erro (pelo menos é uma hipótese):

- Como se costuma dizer "Eu depois entro em contacto consigo", talvez a expressão "Eu depois contacto consigo" tenha começado a ser usada erradamente. Daí, à expressão "Eu depois ligo consigo"

O que pensarão as pessoas do outro lado da linha? Certamente, o mesmo que nós. :D

P.S.: Normalmente não gosto de abusar de estrangeirismos, mas que tradução para "brainstorming"?

Anónimo disse...

Uma excelente explicacao!!! Muito simples e fácil de entender.

Anónimo disse...

Olá seu Hugo Pereira, qual é o problema de "soar meio abrasileirado"? Vocês ainda não entenderam que foi o Brasil que salvou o Português? Se não fosse por nós, brasileiros, a língua de Camões já seria história!

Anónimo disse...

na sua frase "E porque é que é um erro?" esse "porque" não deveria ser separado? Trata-se de um 'porque' em frase interrogativa...

Mariangela Ragassi disse...

Olá Hugo Pereira, achei realmente engraçada essa alusão ao português falado no Brasil. Se um brasileiro ouvisse alguém dizer "eu depois ligo consigo" ficaria curioso para saber aonde este estrangeiro aprendeu a falar português:será que foi em Portugal? E o pior é que a sua pergunta comprova que isso seria perfeitamente possível...Saudações cordiais