17 julho 2007

Ainda a “rúbrica”!

“Rubrica, para um pequeno apontamento, e rúbrica, para uma assinatura breve” – assim pensa a maioria das pessoas.
RUBRICA é, hoje em dia, uma das palavras utilizadas incorrectamente, quer na oralidade, quer na escrita. Contudo, a sua história ajuda-nos a esclarecer eventuais dúvidas. Viajem comigo!
Tendo a sua origem no latim rubrica, estava relacionada com “rubro” (vermelho) e designava “terra, argila vermelha” ou “giz de cor vermelha”. Os títulos dos livros antigos e dos manuscritos medievais eram sempre escritos a vermelho, daí a designação rubricas.
Actualmente, os dicionários registam rubrica como o título dos capítulos de livros de direito civil, significado este que se foi alargando para “pequeno apontamento ou indicação”. Posteriormente, a palavra rubrica passou a designar também uma assinatura abreviada.
Em suma, trata-se de uma palavra com acento tónico na penúltima sílaba -bri- e sem qualquer acento gráfico na vogal u. RUBRICA, portanto, em todas as acepções.

Espero que esta rubrica tenha sido esclarecedora, para que na altura de assinarem um documento, possam perguntar com um ar decidido: “Desculpe, onde quer que eu faça a rubrica?”

18 comentários:

Joana (2º ano) disse...

ainda ontem na farmácia me pediram uma "rúbrica" :p

S. Leite disse...

Mas aposto que não disse nada! Afinal, não é nada simpático corrigir os erros dos outros... e às vezes ainda teimam que têm razão!

casccalensə disse...

Pois comigo era o que faltava, é uma afronta à língua e corrijo quem quer que seja. Nem a pessoa me pediu para ser corrigido, nem eu pedi que me falassem mal. E tal como educadamente corrijo, aprecio que da mesma maneira mo façam. ;)

Maicon Macêdo disse...

Eu acho digno que corrijam. Porém, como eu faço, prefiro que seja corrigido apenas na presença das duas pessoas envolvidas.

Telma Silva disse...

Sr. ou Sr.ª "Casccalense", se me permite, então, o mais correcto será "E tal como, educadamente, corrijo, aprecio que, da mesma maneira, mo façam." Ou seja, tanto a palavra "educadamente", como a expressão "da mesma maneira", terão que ser escritas entre vírgulas.

Educadamente, me despeço,

Telma Silva (:

p.s - Sr. Maicon Macêdo, de facto, o mais sensato seria corrigir a pessoa que proferiu ou escreveu o dito erro em separado; contudo, nem sempre é possível e há erros "fatais" que deverão, indubitavelmente, ser corrigidos na hora! (:

Telma Silva

Anónimo disse...

Sr.ª Telma Silva, só estou comentando porque, de facto, qualquer um, assim como eu, admiraria sua culta maneira de dissertar. :) até mais!

- Bruna Rossi Enumo.

Telma C. Silva disse...

Srª Bruna Enumo, "admiraria" ou "admira" mesmo?! ;P Agradeço a simpatia e até mais.
Desculpe a minha ousadia, mas a sua nacionalidade é Brasileira?
Cumprimentos.

Telma Silva

Anónimo disse...

Qualquer um que viesse a conhece-la, admiraria.
:) - Sim, brasileira. Por causa do "facto"?(risos)..
Era um costume meu.

Até mais!
Bruna.

Telma C. Silva disse...

Olá, Bruna! (:
Não foi pelo "facto", foi mesmo: pelo gerúndio "comentando"; por não ter escrito o artigo definido "a" antes do pronome pessoal "sua" e, finalmente, por se ter despedido com "até mais" (expressão muito utilizada, sobretudo, por Brasileiros... "Áté máiz")! ;p
Cumprimentos,

Telma Silva

Telma C. Silva disse...

P.s. - Bruna, também por causa dos seus Apelidos, Rossi Emuno. Se não for alcunha, esses nomes não são de origem Portuguesa! (:

Anónimo disse...

Prezados,
admirei os comentários de v.sas., que admirável é a nossa lingua portuguesa, desculpe sou meio analfabeto.
JOO

Anónimo disse...

existe alguma acentuação na conjugação do verbo rubricar no presente do indicativo?

S. Leite disse...

Não!
Confirme:
http://www.portaldalinguaportuguesa.org/index.php?sel=exact&query=rubricar&action=simplesearch&base=form

Anónimo disse...

- Além de provar que escreve, também observa bem! (:

Bruna.

Telma C. Silva disse...

(:

Anónimo disse...

ENtão e a RÚBRICA de um balancete em contabilidade??

S. Leite disse...

Não será também uma rubrica?

Anónimo disse...

Sobre os comentários acima, eu não concordo e nem discordo, muito pelo contrário.