19 fevereiro 2010

O problema de pegar ao colo


... é que, quando queremos substituir o objecto, ser, criança, namorada, cão, ou seja o que for em que se pega por um pronome, é provável que tenhamos dúvidas quanto à correcção da frase que resulta dessa substituição.
Imaginemos que se trata de um bebé. Ao reformular a frase "Tirou o bebé da cama e pegou no bebé ao colo" sem referir pela segunda vez o nome bebé, devemos preferir:

a) Tirou o bebé da cama e pegou-lhe ao colo

b) Tirou o bebé da cama e pegou-o ao colo

c) Tirou o bebé da cama e pegou nele ao colo

?

9 comentários :

Franco e Silva disse...

b) Tirou o bebé da cama e pegou-o ao colo

Como tirou o carro da garagem e LEVOU-O aos solavancos, à oficina, a reboque.

S. Leite disse...

Mas LEVAR é verbo transitivo directo, ou seja, não exige preposição antes do complemento (directo): leva-se uma coisa/pessoa a algum lado (não se leva "em" ou "de" ou "a" uma coisa/pessoa a algum lado).

Quando a PEGAR... será idêntico, nesse aspecto?

Franco e Silva disse...

Eu diria LEVÁ-LO de um determinado modo (não a algures), no caso AOS SOLAVANCOS ou EM GRANDE VELOCIDADE PELA ESTRADA FORA, como ao bebé, PEGÁ-LO AO COLO ou DE LADO.

S. Leite disse...

Percebo...

mas não há outras opiniões?!

S. Duarte disse...

A estrutura correcta é «vou pegar nele ao colo», equivalente a «vou pegar em alguém ao colo».

O verbo pegar, com o significado de "agarrar", "suster", "segurar", não pede um complemento indirecto (lhe), mas, sim, um complemento preposicionado (nele).

Assim, deve dizer-se: «vou pegar em alguém ao colo», logo, «vou pegar nele ao colo». A estrutura “vou pegar-lhe ao colo” é incorrecta, porque corresponderia a “vou pegar a alguém ao colo” (lhe significa “a alguém”).

S. Leite disse...

Quanto a "pegá-lo", é perfeitamente admissível em português do Brasil, que também permite empregar a estrutura "vou pegar ele" (sem preposição, entendendo "ele" como complemento directo) - o que não é de uso corrente em Portugal.

Franco e Silva disse...

E não só como brasileirismo... na nossa opinião, pelo menos estilisticamente. Vejamos frases semelhantes:
Pega o touro de cernelha. Pegou-o de cernelha; não o pegou de cernelha (pegou *nele de cernelha; não pegou *nele de cernelha).
Segura/agarra o touro de cernelha. Segurou-o ou agarrou-o de cernelha (segurou/agarrou *nele de cernelha; não segurou/agarrou *nele de cernelha).

světluška disse...

Se por português do Brasil se refere à forma como muitos brasileiros se expressam, tem toda a razão, entretanto, a gramática normativa, que é comum a todos os lusófonos, não abona essa estrutura.

S. Leite disse...

Pois, em "pegar o touro" já temos uma regência diferente (e um significado distinto) do verbo PEGAR. É por isso que é uma tarefa tão difícil e ingrata classificar os verbos de transitivos/intransitivos, etc. Porque eles mudam as suas propriedades sintácticas conforme os significados.