03 novembro 2009

Scanear?!

Todos os dias me surpreendo e isso, à partida, é bom.
O problema é que nem tudo o que me surpreende é bom, por isso talvez devesse dizer que todos os dias me admiro com algo que vejo.
E há uma editora que, ultimamente, tem sido a causa de boa parte da minha perplexidade. Na sua base de dados em linha (expressão paradigmática da débil recusa, por parte de alguns portugueses mais "cotas", de cair no estrangeirismo fácil, que espero seja entendida pelos leitores), apresenta por vezes informações caricatas e inesperadas, para não dizer duvidosas... pelo menos por enquanto.
Há dias, descobri, de boca aberta, que o verbo scanear já lá constava, todo conjugadinho, da primeira à última flexão: eu scaneio, tu scaneias, ele scaneia...; eu scaneei, tu scaneaste, ele scaneou... e por aí fora. Lindo!
E para quem não saiba o que significa esta nova aquisição no nosso léxico, a definição aparece no dicionário de língua portuguesa: significa converter texto ou imagens, através de um aparelho que lê os dados em papel, em informação digital, que poderá ser consultada e usada no computador. Usa-se no âmbito da informática, mas não necessariamente em registo informal ou familiar, pelos vistos. Ao que parece, pode aparecer em relatórios, em documentos oficiais, em publicações, etc., porque será um legítimo sinónimo de digitalizar.
O aparelho com o qual o verbo está relacionado lá está igualmente dicionarizado na sua forma gráfica original: scanner (mas sem o itálico!) . Quer isto dizer que o verbo poderia ser scannerizar ou, aportuguesando a grafia, scanerizar, usando-se a combinação entre SCANNER + -IZAR. Inclusivamente, há quem prefira scanar e quem diga, com bom humor, sacanear...
Ora, pergunto-me, por que razão a editora não consagrou todas essas variações? Porque fez uma recolha rigorosa de dados e concluiu que a forma escolhida é usada com mais frequência do que as outras? Ou porque não lhe apeteceu? Trata-se de uma pergunta de quem tem curiosidade em perceber como é que estas decisões são tomadas!




























14 comentários:

světluška disse...

Por isso prefiro as soluções brasileiras:
http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=escanear
http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=estresse
http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=esc%E2ner
http://aulete.uol.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=esnobe

Etc.

S. Leite disse...

Sem dúvida!
Mas para os portugueses seria forçado começar a dizer "estresse", "esnobe" e "escanear"... tal como não seria natural para os brasileiros dizer "desporto" em vez de esporte.

světluška disse...

Não veja nada de artificial nessas palavras, já que em português, imagino que em Portugal também, é de norma colocar um e ou i antes de uma s impura (como dizem os italianos), o s antes de consoante que inicia a palavra. Por isso que stella em latim virou estrela em português e não strela, entre milhares de outros exemplos.

Quando a desporto, ainda que não seja de uso comum, há algumas associações que incluem a palavra desporto, como Associação Nacional de Desporto para Deficientes, Confederação Brasileira do Desporto Universitário, Gerência de Desporto Educacional, etc.

S. Leite disse...

Tem razão, mas os tempos mudam e a sensibilidade (ou falta dela) em questões de língua também. Hoje, os portugueses são muito permeáveis ao inglês, por razões óbvias. E o s antes de outra consoante em início de palavra já vai causando menos estranheza por estes lados.

Anónimo disse...

Antes de fazer qualquer tipo de comentários arrogantes e mal educados (no mínimo desrespeitosos pela editora em questão) a autora do blogue deveria seguir o conselho que dá à editora e fazer uma certa pesquisa, não? Scanear não vem do substantivo inglês (e agora português) “scanner” e sim do verbo inglês “to scan”, que quer dizer nem mais nem menos do que digitalizar. Logo a palavra não está mal formada, visto que –ear é uma terminação verbal perfeitamente normal em português. Se fizesse a tal pesquisa descobriria ainda que não só no site da Porto Editora como em todos os outros sites de conjugação e noutros dicionários a palavra está lá. Continua perplexa? A palavra tem mais de 200 000 resultados na internet (em comparação com 200 e pouco das outras formas que propõe) e estou certo que todas as editoras, numa visão descritiva e não meramente normativa da língua, ponderam cuidadosamente a entrada de novas palavras e usos das mesmas, fazem "uma recolha rigorosa de dados e" concluem "que a forma escolhida é usada com mais frequência do que as outras". Se a S. Leite a nível profissional faz coisas "porque lhe apeteceu", tenho a certeza que não é assim que funciona a editora em causa, nem nenhuma outra.

Para a próxima mostre um bocadinho mais de respeito por quem trabalha, que posts como este só lhe tiram credibilidade.

S. Leite disse...

Tem toda a razão, senhor anónimo. Não posso senão elogiar a sua intervenção, que vem lançar uma luz fundamental a este artigo e corrigir a minha falha imperdoável: scanear vem de scan e não de scanner, foi uma grave imprecisão minha e por isso aqui fica o meu reconhecimento do erro.
No entanto, mantenho que scannerizar e scanar também se usam; mas as ocorrências no Google não servem de muito, uma vez que proliferam pela Internet palavras com erros ortográfico que não podem ditar o que se consagra nos dicionários.

S. Leite disse...

Mais uma observação: formar scanear a partir do verbo scan não faz sentido (é uma má formação), na medida em que o sufixo -ear se junta a substantivos (que devem ser portugueses, claro) para formar verbos (por exemplo, cabeçear, de cabeça, ou pontapear, de pontapé). Ora, scan já é um verbo. Quer isto dizer que a junção do sufixo -ear a um verbo (ainda por cima estrangeiro) é tão irregular como seria formar "printear" a partir do verbo print. Com a agravante de que já existe em português o verbo imprimir (traduzindo), ou, no caso de scan, o verbo sondar.

Franco e Silva disse...

DESABAFO:
Não entendo porque não aportuguesámos ortograficamente SETRESSE (lendo [stresse]), SENOBE (lendo [snobe]) , SECANEAR (lendo [scanear], SECÂNER (lendo [scâner]) etc.; pois se também lemos [stúbal] em SETÚBAL etc....
Claro que na variante brasileira tal situação não se adaptaria já que a separação silábica é bem marcada.

CasperT disse...

O verbo é relacionado com o "equivalente" em língua inglêsa to scan, não com o scanner.

S. Leite disse...

Exacto. Por isso, não faz qualquer sentido formar um verbo a partir de outro verbo estrangeiro, juntando ao estrangeirismo um sufixo verbal. Seria como dizermos "printar" em vez de imprimir...

Anónimo disse...

Ah, que beleza! Eu tava procurando neste instante uma forma de dizer que havia scaneado uma imagem e ri quando li em teu texto DIGITALIZAR. Pronto. Não preciso de mais nada. Vou digitalizar a imagem.
Por que será que não imagino um norte-americano tentando descobrir como se conjuga o verbo digitalizar? E aqui, de besta, procurando algo pra scanear...

Abraço.

RJ disse...

Gente os comentários foram fundamentais para a minha tomada de decisão.
Vou escrever com "digitalizar".
É... eu estava procurando na internet se já existiria a conjugação "scaneie", acho que "digitalize" fica melhor não? rsrs
Quanto ao texto..."porque" junto não é para resposta?
Ah...continuem com os comentários...abraços

S. Leite disse...

"Porque" junto também se usa nas perguntas, mas parece que é uma das muitas divergências entre as normas de Portugal e as do Brasil...!

Anónimo disse...

Mas nós, no Brasil, usamos a forma "desporto", constante em nossos dicionários de sinônimos.