31 março 2017

Escrever em português correto no Programa "Alô, Portugal", na Sic Internacional


Hoje vou apresentar o meu novo livro em direto, no programa Alô Portugal, na Sic Internacional.
Tenho estado a tentar prever que perguntas o José Figueiras me vai fazer e acabei por redigir uma espécie de guião da entrevista, para me preparar. Aqui ficam as perguntas que imaginei e as respostas que pensei dar, pois é provável que a entrevista real seja diferente!


«Este livro é mesmo sobre escrever TUDO? E o que significa escrever corretamente?»
TUDO, sim, no sentido em que, apesar de serem contemplados “apenas” 20 tipos de texto diferentes, este livro pode ser tomado como uma base, uma referência, para depois aplicar a outros tipos de texto. Digamos que é adaptável a outros géneros, nesse sentido, porque fala de aspetos gerais, além dos aspetos específicos de cada tipo de texto em particular.
Escrever corretamente é de facto aplicar com rigor as regras gramaticais, expressar-se com correção, mas não é só isso. Também significa atingir o objetivo, por exemplo, persuadir o leitor de alguma coisa; respeitar as convenções próprias de cada tipo de texto, como o registo em que deve ser escrito, a estrutura que deve ter, etc.; demonstrar cortesia e respeito para com os destinatários do texto, no sentido de procurar corresponder às suas expectativas. Isso normalmente significa construir o texto de modo a facilitar a compreensão das ideias, mas nem sempre, ou não necessariamente, porque, no caso dos textos literários, o leitor pode não esperar nem desejar que isso aconteça, provavelmente prefere encarar o texto como uma espécie de enigma, de jogo de decifração.
«E o Acordo Ortográfico? Já vi que segue as novas regras… isso significa que é a favor?»
Não, de todo. Eu não sou a favor do AO simplesmente porque não faz aquilo que se propõe fazer, que é unificar a ortografia do português usado no mundo. Não acredito que isso seja possível, já para não entrar na questão de fazer ou não fazer falta. Só se pode dizer que o AO uniformiza a ortografia do português global se concordarmos que os inúmeros casos de dupla grafia são um aspeto aceitável dessa uniformização. Pessoalmente, acho que isso não faz sentido. E foi, no fundo, para frisar que as diferenças permanecem que incluí no meu livro um exercício que consiste em descobrir, num texto de 177 palavras, as 20 palavras que vão continuar a escrever-se de maneira diferente, nas variedades europeia e brasileira (p. 67).
Agora, não sendo a favor do AO, sigo-o. Porque acho é que é um luxo, hoje em dia, uma pessoa recusar-se a seguir o AO, nem todos podem fazer isso. Eu, como professora e como mãe, acho que não posso, porque a minha responsabilidade é ajudar os meus filhos e sobretudo os meus alunos a adaptarem-se às novas regras – porque tenho muitos alunos adultos que aprenderam regras diferentes, tal como nós, e ainda têm alguma dificuldade em escrever o “novo português”. No entanto, as mudanças também não são assim tantas – ao que parece, o AO altera cerca de 1,6% das palavras, em Portugal, e 0,5% no Brasil – e há por aí muitos mitos sobre o AO que levam as pessoas a terem muitas dúvidas porque há supostas “regras novas” que na verdade não existem… Isso leva muita gente a sentir que é contra o AO, sem ter sequer uma ideia exata do que é que muda.
«Quer dar exemplos?»
Sim, há o caso engraçado do cágado, que algumas pessoas ainda pensam que vai tornar-se numa palavra feia, porque se passa a escrever sem acento, o que é mentira! Também não é verdade que os portugueses tenham de escrever facto ou contacto sem o c antes do t. Porque a ideia generalizada é a de que vamos escrever como no Brasil, ou "ceder" à maneira de falar e de escrever dos brasileiros, e isso não é verdade. Aliás, muitas palavras passam a escrever-se de maneira diferente precisamente porque respeitam a pronúncia diferente que elas têm em Portugal e no Brasil – por exemplo recepção, perspectiva, contacto.
«E o expectador… ou espetador?!»
Pois... tal como expectativa e característica, esse é um caso de dupla grafia para Portugal, uma vez que no Brasil não se escreve espetador porque o c é sempre pronunciado. Em Portugal, na norma dita culta, há oscilação na pronúncia da palavra: há quem diga espetador e há quem diga espectador e ambas as formas são consideradas corretas, portanto não é linear que a consoante antes do t seja muda. Quem quiser pode continuar a escrever espectador… mas teoricamente deveria pronunciar a palavra em conformidade, ou seja, dizendo o [k]. Segundo a lógica do AO, não faz sentido dizer espetador e escrever espectador, mas claro que quando se é contra o AO isso faz todo o sentido!
«E no seu livro apresenta esclarecimentos ou apenas exercícios sobre o AO?»
Há exercícios, para que as pessoas possam perceber se têm ou não dificuldades na aplicação das novas regras, e no final há um apêndice dedicado ao AO, com uma síntese do que muda, portanto, com o esclarecimento.
«E os exercícios têm soluções?!»
Têm, sim, todos os exercícios sobre expressão escrita, ou gramática, têm soluções. E não são apenas sobre o AO – seria bom que só tivéssemos dúvidas e cometêssemos erros relacionados com a aplicação das novas regras ortográficas! Infelizmente não é assim… muitas pessoas enganam-se a escrever certas palavras mais “traiçoeiras”, digamos assim (diminutivo, losango, despender, aselha, precariedade…) certas construções frásicas (parecido a ou parecido com? ir de encontro a ou ir ao encontro de? ser devido a ou derivado a?), certas formas verbais (hão-de ou há-dem,  matado ou morto?), têm dificuldade em distinguir palavras parecidas (descriminar/discriminar, reticente/renitente, há cerca/acerca, eminente/iminente…), têm dificuldade em substituir o registo familiar por um registo mais cuidado... e portanto há um pouquinho de tudo, nos exercícios.
No entanto, as propostas de exercício que aparecem após cada tipo de texto não têm soluções. São apenas sugestões de treino.
«Mas não é um livro de exercícios?»
Não propriamente. Os exercícios de gramática aparecem logo no capítulo sobre os erros mais frequentes, para que, antes de começarem a escrever determinado texto, os leitores possam perceber se caem facilmente nas “rasteiras” que a língua nos prega a todos, ou não. Mas eu diria que o livro incide sobretudo nas dicas e nos conselhos para escrever os mais diversos tipos de texto, desde as atas até aos verbetes de dicionário, passando pelas composições, pelas recensões críticas e pelos resumos. Só que, depois de dar um exemplo de cada tipo de texto, também deixo uma sugestão de exercício, para que os leitores possam praticar aquele tipo de texto. À parte disso, muito do conteúdo é sobre o processo de escrita, desde o momento em que decidimos que vamos escrever um texto até ao momento em que fazemos a revisão final.
«A Sara gosta muito de escrever?»
Sim, gosto muito e acho que tentei comunicar um pouco desse gosto aos leitores deste livro, no fundo o que eu gostaria era de contagiar os leitores, para que passassem a gostar tanto de escrever como eu. Não sei se isto parece exagerado, mas sinto que escrever, para mim, é tão importante como respirar. Sinto que não consigo viver sem escrever, porque de facto é algo que não só me dá prazer como me faz falta, para me sentir bem. Até pode não haver ninguém para ler o que eu escrevo – porque nem sempre escrever é comunicar – mas eu preciso de escrever, porque escrever me ajuda a pensar-me, a conhecer-me, e eu procuro levar os leitores a verem a escrita dessa forma, como algo que está ao nosso alcance para podermos viver melhor.
«Em que sentido?»
No sentido em que nos obriga a parar, a refletir, em que nos faz pensar sobre a nossa experiência, sobre o que sabemos e o que nos falta saber, portanto favorece o conhecimento e o autoconhecimento, no sentido em que nos ajuda a organizar as ideias, a estruturar o pensamento, a dar sentido ao que nos vai na cabeça, e também a criar algo novo, porque o que nós escrevemos é único e pode ficar no mundo como um sinal da nossa passagem por ele.
«E acha que isso está ao alcance de qualquer pessoa, ou é preciso ter um certo jeito?»
Claro que o jeito ajuda, quem tem jeito terá menos trabalho e levará menos tempo a atingir bons resultados. Mas o que é interessante nisto é que nem toda a gente que tem jeito para falar tem jeito para escrever… e nem toda a gente que escreve bem determinado tipo de textos é capaz de escrever bem outros tipos de texto diferentes… O essencial, a meu ver, é o entusiasmo, o empenho, a dedicação. O quanto a pessoa quer ser capaz e o que está disposta a fazer para conseguir. E isso pressupõe uma característica muito importante que é a humildade, a noção de que se pode fazer melhor. Quem acha que já escreve bem e não precisa de melhorar normalmente está enganado, porque se aplica o mesmo que se costuma dizer sobre o conhecimento (a célebre fórmula atribuída a Sócrates, “só sei que nada sei”): quem realmente sabe muito tem uma noção mais clara de tudo o que lhe falta saber. Com a arte da escrita é mais ou menos a mesma coisa, quem escreve bem sabe que pode sempre escrever melhor, provavelmente porque também lê muito e não se considera certamente o melhor escritor do mundo, vê sempre outros acima de si.



7 comentários :

Ricardo Branco disse...

Será que as pessoas são tão lisas de espírito? Não é a quantidade que está em causa minha senhora. É a qualidade entende? A Qualidade minha senhora!!!

João Paulo Forte disse...

Tanta confusão nessa cabeça, srª professora, Lamento que se tenha rendido e ido para o lado negro da língua manipulada tudo menos portuguesa. A sua função deveria ser a de defender a língua e o interesse dos alunos, em vez de defender os interesses económicos e geopolíticos que tentam perverter a língua portuguesa. E não irei comprar o seu livro, pois isso seria uma traição à minha identidade.

... disse...

Mas como é que alguém pode aplicar o AO90 sem dar em doido? Como hei-de conviver com o conceito de “ótico” (=óptico) e “ótico” (=ótico)? Esta situação é não só gritante como perigosíssima — como havemos de agir? E como hei-de responder a quem se enerva como o facto de os “egípcios” morarem hoje em dia no “Egito”? Não há forma de poder ter a cabeça erguida quanto a isto… O AO90 tem uma grande responsabilidade na iliteracia que se faz sentir em Portugal! As pessoas querem escrever “excepção” em acordês e escrevem “exeção”, querem escrever “recepção” acordizadamente e escrevem “recessão”! Então isto não é uma vergonha? Como é que alguém pode defender um acordo ortográfico que analfabetiza a população? É muito triste.

S. Leite disse...

Caro anónimo, não lhe parece um exagero dizer que o AO analfabetiza a população? Quem nos dera que a população passasse a ser toda letrada se apenas essa convenção deixasse de existir! Palavras homónimas, homófonas e homógrafas sempre existiram. E erros ortográficos também. Não é o AO que vai alterar essa situação... não lhe dêmos a importância que não tem!

S. Leite disse...

Caro João Paulo, não defendo interesses económicos nem geopolíticos. Por isso não sou a favor do AO, sou contra. Deixei isso bem claro no texto!

Teresinha disse...

Gostei muito de ler o seu artigo, aliás, gosto de ler tudo o que escreve e estou completamente de acordo consigo. Também sou contra o novo AO, mas tenho de o seguir pelos meus netos.
Neste momento já não há nada a fazer! Enquanto lutam contra o acordo vão dando a ler aos jovens os textos com erros!
Infelizmente há pessoas que, ao manifestarem o seu repúdio por este acordo, acabam por ser desagradáveis e até rudes.
Eu gosto de aprender e muitas vezes tenho dúvidas. Consulto o seu blogue e estudo o novo AO.
Não consegui insurgir-me quando se falou dele... não fui a tempo! Mesmo que eu tivesse ido, teria sido uma voz isolada. Agora sei de vinte mil que estão contra! Onde estavam antes? Agora vêm tarde!
Os meus cumprimentos.

S. Leite disse...

Obrigada, Teresinha.