23 Julho 2012

Há mar e mar, há ir e voltar...


   Quem não se lembra desta sugestiva frase, que parece um provérbio pela concisão, pela sugestividade, pela rima?
   Tanto quanto pude apurar, não só não é um provérbio como nem sequer é de origem popular, embora tenha acabado por ficar na memória de muita gente, por causa da campanha de prevenção contra o afogamento nas praias portuguesas, nos anos 80, e tenha depois sido transmitida às gerações seguintes, como acontece com os adágios, que andam na boca do povo.
A frase é da autoria do poeta Alexandre O’Neill, que trabalhou em publicidade e a criou precisamente para essa campanha. Hoje, muitos portugueses conhecem de cor e aplicam este rifão, que chega a figurar em colectâneas de provérbios publicadas na Internet e que os meus alunos de 18, 19 anos conhecem, por "ouvir os pais a dizer".
É um bom exemplo de como uma frase sugestiva, associada a uma ideia forte, que toca as pessoas, pode ser consagrada, de tal modo que o seu significado ultrapassa o contexto em que foi usada inicialmente e ela se torna uma expressão fixa com um sentido aplicável em diversas situações. Talvez porque os portugueses sentem, tradicionalmente, o apelo do mar, esta é uma frase que não esquecemos. E hoje continua a usar-se como aviso, relativamente ao cuidado que devemos ter quando nos aventuramos no mar, ou talvez até noutro meio vasto e desconhecido, convidativo mas perigoso, onde é preciso ter cautela, para que as nossas idas tenham sempre um regresso.

Sem comentários: